comércio

Vendas do comércio crescem 1% em julho, diz IBGE

Trata-se da terceira alta mensal seguida e do melhor resultado para julho desde 2013. Segundo IBGE, aumento na população ocupada e melhora nas condições de crédito ajudam na recuperação do setor

As vendas do comércio varejista ganharam ritmo em julho e cresceram 1%, na comparação com o mês anterior, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já na comparação com julho do ano passado, a alta foi de 4,3%.

Trata-se da terceira alta seguida, do melhor resultado mensal desde novembro do ano passado (3,2%) e do melhor julho desde 2013, quando o avanço frente ao mês imediatamente anterior foi de 2,7%.

No acumulado em 2019, a alta chega a 1,2%. Em 12 meses, o avanço nas vendas do varejo é de 1,6%, o que representa um ganho de ritmo ante junho (1,2%) e frente aos meses anteriores.

O IBGE revisou para cima os dois resultados anteriores. Em junho, ao invés de 0,1%, a alta foi de 0,5%, e em maio, foi de 0,1%, ao contrário da estabilidade (0,0%) divulgada antes.

A leitura de julho ficou muito acima da mediana das projeções de 30 consultorias e instituições financeiras consultadas pelo Valor Data, de avanço 0,1%.

"Com esse resultado, o setor varejista recupera o patamar de vendas próximo a junho de 2015, mas ainda se encontra 5,3% abaixo do nível recorde alcançado em outubro de 2014", informou o IBGE.

7 das 8 atividades cresceram em julho

Em julho, 7 das oito atividades pesquisadas tiveram alta no volume de vendas, com destaque para "hipermercados" (1,3%), "outros artigos de uso pessoal e doméstico" (2,2%), que incluem as vendas online e as lojas de departamentos, e "móveis e eletrodomésticos" (1,6%).

Apenas o segmento de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,6%) teve queda em julho.

O volume de vendas do varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, cresceu 0,7% na comparação com junho. Veículos, motos, partes e peças recuaram 0,9%, após avanço de 3,5% no mês anterior, enquanto materiais de construção pressionaram positivamente, com avanço de 1,1%.

Veja o desempenho de cada segmento em julho:

  • Combustíveis e lubrificantes: 0,5%
  • Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: 1,3%
  • Tecidos, vestuário e calçados: 1,3%
  • Móveis e eletrodomésticos: 1,6%
  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria: 0,7%
  • Livros, jornais, revistas e papelaria: 1,8%
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação: -1,6%
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico: 2,2%
  • Veículos, motos, partes e peças: -0,9% (varejo ampliado)
  • Material de construção: 1,1% (varejo ampliado)

O que explica a melhora

Segundo a gerente da pesquisa, Isabella Nunes, o bom resultado de julho é explicado pelo aumento na população ocupada, ainda que na informalidade, e melhora nas condições de crédito paras as famílias.

"Há uma evolução gradual do mercado de trabalho, com aumento da população ocupada, e também houve aumento de concessão de crédito à pessoa física, cujo volume aumentou 13,3% na passagem de junho para junho", disse a pesquisadora, destacando que esses dois movimentos beneficiam diretamente as atividades de supermercado e eletrodomésticos.

Vendas avançam em 19 estados

De junho para julho, as vendas do comércio varejista cresceram em 19 das 27 unidades da federação, com destaque para Mato Grosso (5,4%), Rio de Janeiro (2,7%) e Bahia (2,4%). Por outro lado, houve queda e Amazonas (-1,9%), Roraima (-1,6%), Ceará (-1,5%), enquanto Goiás e Pará mostraram estabilidade

Recuperação lenta e perspectivas

Outros indicadores já divulgados mostram sinais mistos da economia no 2º semestre, em meio ao desemprego ainda elevado e piora no cenário externo com a crise da Argentina, guerra comercial e temores de uma nova recessão global.

produção industrial, por exemplo, registrou queda de 0,3% em julho – o terceiro recuo mensal seguido. No acumulado no ano, o recuo chega a 1,7%, o que mantém a indústria no nível de janeiro de 2009.

O comércio aposta que a liberação dos saques das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do Fundo PIS-Pasep ajudará a acelerar o consumo nestes últimos meses do ano. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que R$ 13,1 bilhões (44% do total previsto a ser injetado na economia) será destinado para gastos no comércio e consumo de serviços.

A projeção do mercado financeiro para estimativa de alta do PIB deste ano permanece em 0,87%, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central. Já o governo prevê crescimento de 0,85% em 2019.

Fonte: G1 | Imagem: Reprodução

Blog BBG

Acesse nosso BLOG e leia todas as matérias publicadas em nosso site.
Prévia da inflação

Prévia da inflação fica em 0,08% em agosto, aponta IBGE

Foi o menor resultado para um mês de agosto desde 2010. No ano, indicador acumula alta de 2,51%, e em 12 meses, de 3,22%. Custo da energia elétrica pressionou o índice

Fonte: G1 | Imagem: Reprodução

Blog BBG

Acesse nosso BLOG e leia todas as matérias publicadas em nosso site.
Prévia da inflação oficial

Prévia da inflação oficial desacelera e fica em 0,13% em agosto, aponta IBGE

Prévia da inflação oficial desacelera e fica em 0,13% em agosto, aponta IBGE

Esta é a menor taxa para um mês de agosto desde 2010. No acumulado do ano, a variação foi de 3,14% e o acumulado dos últimos 12 meses ficou em 4,30%

O índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, desacelerou de 0,64% em julho para 0,13% em agosto, conforme divulgado nesta quinta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o IBGE, esta é a menor taxa do IPCA-15 para um mês de agosto desde 2010, quando ficou em -0,05%. No acumulado do ano, a variação foi de 3,14%. Já o acumulado dos últimos 12 meses ficou em 4,30%, abaixo dos 4,53% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Para o cálculo do IPCA-15, o IBGE mediu a variação dos preços no período de 13 de junho a 13 de julho.

O que mais influenciou a desaceleração do índice foram os preços do grupo de Transportes, que registraram deflação de -0,87%, o que representou o maior impacto negativo na composição do indicador (-0,16 p.p).

A deflação neste grupo, segundo o IBGE, se deu em função da queda observada nos preços das passagens aéreas (- 26,01%), que correspondeu ao principal impacto negativo no índice do mês (-0,10 p.p.). Também contribui a redução de 1,32% nos preços dos combustíveis, que vieram em queda pelo segundo mês seguido, com reduções nos preços médios do etanol (-5,80%), do óleo diesel (- 0,50%) e da gasolina (-0,40%).

A alta no grupo Habitação (1,10%) foi influenciada, principalmente, por reajustes nos preços da energia elétrica, que tiveram alta de 3,59% no país. Segundo o IBGE, este foi maior impacto individual no índice do mês, com 0,14 p.p.

Os principais reajustes nas tarifas de energia elétrica foram de 15,84% por uma das concessionárias pesquisadas em São Paulo, em vigor desde 4 de julho, e o reajuste médio de 12% registrado em Belém, vigente desde 7 de agosto.

Em Saúde e cuidados pessoais a alta foi puxada pelo item plano de saúde, que teve alta de 0,81%, refletindo o reajuste de 10% autorizado em 27 de junho pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) com vigência retroativa a maio, aplicado nos planos individuais novos (contratos vigentes a partir de 1999).

Alta dos alimentos perde força

O IBGE destacou que os preços dos alimentos, grupo de consumo que responde por cerca de 1/4 das despesas das famílias, desacelerou de 0,61% em julho para 0,03% em agosto. A principal influência para esta desaceleração partiu da alimentação no domicílio, que recuou -0,43% devido à redução nos preços itens importantes no consumo dos brasileiros como cebola (-29,72%), tomate (-16,41%) e batata-inglesa (-15,49%).

Também tiveram quedas os preços das carnes, que haviam apresentado alta de 1,10% em julho e recuaram 1,39%, e das frutas (-1,97%) – segunda queda consecutiva.

Dentre os produtos que tiveram altas nos preços em agosto, destacam-se o leite longa vida (3,58%), o arroz (2,11%) e o pão francês (1,34%).

Já a alimentação fora do domicílio acelerou de 0,38% em julho para 0,84% em agosto. As principais altas foram para o lanche (1,63%) e a refeição (0,67%).

Fonte: G1  | Imagem: Paulo Whitaker/Reuters

Blog BBG

Acesse nosso BLOG e leia todas as matérias publicadas em nosso site.
inflação

IPCA acumulado até outubro é o menor para o mês desde 1998

IPCA acumulado até outubro é o menor para o mês desde 1998

No ano, inflação oficial acumula avanço de 2,21%, segundo o IBGE. De setembro para outubro, o índice ganhou força, puxado por energia elétrica e botijão de gás.

A inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), ganhou força de setembro para outubro, passando de 0,16% para 0,42%. No entanto, o índice acumulado no ano, que ficou em 2,21%, é o menor para outubro desde 1998.

Em 12 meses até outubro, a inflação está em 2,70%, acima dos 2,54% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em outubro de 2016, na comparação mensal, o IPCA havia registrado variação de 0,26%.

Em outubro, ficaram mais caras as despesas com habitação (1,33%), vestuário (0,71%), saúde e cuidados pessoais (0,52%), transportes (0,49%), comunicação (0,4%) e educação (0,06%). Os preços relativos a alimentos e bebidas (-0,05%) e a artigos de residência (-0,39%) tiveram redução de preços, de acordo com o IBGE.

A energia elétrica foi o item que exerceu a maior influência sobre o IPCA. Isso porque o custo ficou, em média, 3,28% mais caro. Em outubro, entrou em vigor a bandeira tarifária vermelha patamar 2. Com isso, houve uma cobrança adicional de R$ 3,50 a cada 100 Kwh consumidos.

Também pesou o valor do botijão de gás, cujo preço subiu 4,49% depois de ter sido aprovado um reajuste de 12,9% nas refinarias.

O preço dos alimentos caiu em outubro, mas em ritmo menor do que o registrado no mês anterior (-0,41%). Alguns produtos ficaram mais caros, com destaque para a batata-inglesa (alta de 25,65%) e o tomate (4,88%). Na outra ponta estão o feijão-mulatinho (-18,41%), o leite longa vida (-2,99%) e o arroz (-1,14%). De acordo com o IBGE, no ano, o é o menor registrado para o período desde a implantação do Plano Real em 1994.

Entre as regiões analisadas pela pesquisa, o IPCA mais baixo partiu de Vitória (-0,10%) e o mais alto, de Goiânia (1,52%).

Previsões

De acordo com o boletim Focus, do Banco Central, mais recente, os economistas do mercado financeiro estimam que a inflação fechará o ano em 3,08%, acima do piso de 3% do sistema brasileiro de metas. Entretanto, a previsão segue abaixo da meta central para a inflação em 2017, de 4,5%.

INPC

O IBGE também apresentou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que ficou em 0,37% em outubro e acumula ata de 1,62% no ano: a menor variação acumulada para o período desde a implantação do Plano Real. Em 12 meses, o avanço é de 1,83%. Em outubro de 2016, o INPC registrou 0,17%.

Fonte: G1